16.3.17

"Eu estou aqui". Selfie auto retrato.

Para onde eu olho, está alguém com a câmara apontada para si próprio. Vira a câmara e aposta no enquadramento.
 Lá por 2010, veio à câmara frontal e cada vez mais redes sociais. Ficou mais fácil tirar a foto e mais fácil ainda distribuir. E aí veio o bom; praticamente o mundo todo estava a tirar selfies.

Então, o que afinal é um selfie? Segundo a Oxford, selfie é uma foto que alguém tira de si mesmo, geralmente com um telemóvel ou webcam, e publica numa rede social. Assim, se você tira e não compartilha, não é selfie. Se você não tira você mesmo também não é selfie.

Selfie é feito para ser compartilhado. “É uma coisa que você quer mostrar para os outros e não guardar para si”.
Fica-se com a percepção de que os momentos não se vivem se não forem fotografados e partilhados nas redes sociais.
Valorizo a arte de construir uma imagem de si. Este momento da humanidade está marcado por fotos de rostos.
Como demonstram estas selfies, fazer uma selfie nada tem a ver com idades, nem lugares… Significa sim fazer auto fotos, em boa companhia, nos mais diferentes lugares.
Como é que se tiravam fotos antes de haver telemóveis?
Se conseguirem ir mais atrás ao tempo, poderão chegar à pintura e aos autor retratos dos artistas – que não era outra coisa senão uma selfie, mas em aguarela.

3.2.17

Roteiro fotográfico

Loulé cidade acolhedora. Périplo pela cidade.
Roteiro fotográfico que para além de ajudar a conhecer melhor a história ajudou a registar os momentos mágicos naquela que é cidade acolhedora, mais agradável para residir, a mais populosa e tem a seus pés o triângulo dourado.

O histórico Café Calcinha, em Loulé, está em obras.
Uma atracção cultural integrado na Rota dos Cafés com História.
Os Banhos Islâmicos de Loulé são os únicos já escavados no país e a autarquia quer que sejam promotores de turismo cultural.
Um amontoado, labirinto, de pedras com 900 anos de histórias.
A cidade nem sempre é conhecida, num Algarve em que «reina o sol e praia».
Muita gente não faz ideia do que a cidade tem para oferecer.
Solar da Música em renovação.
Edifício histórico da cidade a ser transformado num espaço dedicado ao ensino da música.
Palácio Gama Lobos, perto do Solar da Música.
Edifício histórico da cidade a ser transformado que irá acolher um pólo de criatividade.
Inauguração das obras de requalificação da Rua.
Convento da Graça,
raro testemunho, três ciclos de vida que o marcam profundamente.
Miraculosamente o Portal ainda existe.
Desvirtuado por construções modernas que se apoderaram das antigas capelas e do claustro.
Descubra a cidade.

O meu agradecimento ao executivo municipal.

28.1.17

Nunca vi neve

Apeteceu-me pintar a paisagem imensa, linda, com planície até ao mar. Uma paisagem serena. Nevada magica no meu imaginário, claro!
Não tenho esperanças que vai nevar. Devido à latitude e aos ventos marítimos, temos um clima deliciosamente temperado.

Queria ver neve. Neste momento, como se o céu correspondesse ao meu desejo! Do céu azul caíam num jeito de voo, muitas pétalas brancas, leves como uma pena, oscilando, dançando sem pressa, até caírem pareciam flocos de neve.
Uma amendoeira em flor é sempre uma surpresa extraordinária numa paisagem ainda fria. Tenho sempre a impressão de que se trata de neve.
Presas aos galhos estavam flores responsáveis pela queda de neve. Senti-me o vento norte que trás a neve.
Batem leve levemente 
Como quem chama por mim
Será neve? Será vento?
Neve não é certamente
Acho que a neve não bate assim...
Acho que a neve tem um charme e beleza que nas outras estações do ano não se consegue alcançar!
Sinto um arrepio. Não decorre do frio, mas sim daquilo que não sei; do que tenho medo de descobri.
Clique no link e ficará a conhecer a lenda que nos conta como apareceram as amendoeiras na região sul.
http://www.junior.te.pt/servlets/Jardim?P=Historias&ID=20(versão tipo vídeo com interactividade).
Já viu nevar alguma vez?
                      
            ✾✾✾✾   Um sorriso para ti


14.12.16

Aldeia dos sonhos

 A verdadeira alegria só nasce no verdadeiro encontro com alguém.
Regressemos à nossa fé infantil. Talvez o melhor enfeite de Natal seja um grande sorriso, uma saudação.
Uma festa com alegria e diversão.
Perfume de paz, amor, harmonia e a eterna esperança de que um dia todos os dias serão como os dias de Natal. Feliz Natal!
Gosto de ver o espírito do Natal entre pais que descobrem tempo para os filhos.
Gosto de ver o espírito de Natal invadindo as ruas, respeitando a natureza que implora por cuidados simples.
O riso franco, o desejo sincero de ser feliz e, de tão feliz, não resistir ao desejo de fazer outras pessoas também felizes.
Natal é paz no mundo!
               Boas festas! ऌ🔃